Ano da misericórdia: Novena do perdão-5

5º DIA:  Para vencer o ressentimento

_________________________________

            Reflexão: Palavras de São Josemaria Escrivá

Que alma tão estreita a dos que guardam zelosamente a sua “lista de agravos”!… Com esses infelizes, é impossível conviver (Sulco, n.738).

 Perdoar. Perdoar com toda a alma e sem resquício de rancor! Atitude sempre grande e fecunda.  – Esse foi o gesto de Cristo ao ser pregado na Cruz: “Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem”. E daí veio a tua salvação e a minha (Sulco, n. 805).

Deus não se escandaliza dos homens. Deus não se cansa com as nossas infidelidades (É Cristo que passa, n. 64).

 Nunca maltratei ninguém que me tenha virado as costas, nem mesmo quando, aos meus desejos de ajudar, me pagava com um desaforo (Amigos de Deus, n. 59).

Pedido

Meu Deus, eu sei que o ressentimento é uma ferida que o amor-próprio orgulhoso abre e remexe no coração, que é uma gangrena que o ódio cultiva dentro da alma.

Eu o temo, meu Deus, porque já o descobri dentro de mim, agarrado como um câncer.

Alguém dizia que o ressentimento é o forno do diabo. Tinha razão. Eu mesmo sinto que o rancor é um fogo maldito que queima o amor, a compreensão e a paz que deveriam marcar sempre o relacionamento entre os filhos de Deus.

Livra-me dele, Jesus! Ajuda-me a tirar esse mal por meio da confissão frequente. Concede-me, por intercessão de São Josemaria, forças do Céu para perdoar, para esquecer. Que eu não guarde nenhum rancor. Pelo contrário, que guarde as minhas mágoas dentro do teu Coração e ali aprenda a dizer: «Pai, perdoa-os!» (Lc 23,34)

Rezar a oração a São Josemaria

Ano da misericórdia: Novena do perdão-4

4º DIA: Para vencer a ira

_________________________________

            Reflexão: Palavras de São Josemaria Escrivá

 Isso mesmo que disseste, dize-o em outro tom, sem ira, e ganhará força o teu raciocínio, e sobretudo não ofenderás Deus (Caminho, n. 9).

Não repreendas quando sentes a indignação pela falta cometida. – Espera pelo dia seguinte, ou mais tempo ainda. – E depois, tranquilo e com a intenção purificada, não deixes de repreender.- Conseguirás mais com uma palavra afetuosa do que com três horas de briga. – Modera o teu gênio (Caminho, n. 10). Continue reading “Ano da misericórdia: Novena do perdão-4″

Ano da misericórdia: Novena do perdão-3

3º DIA:  Para vencer o orgulho

_________________________________

             Reflexão: Palavras de São Josemaria Escrivá

Se és tão miserável, como estranhas que os outros tenham misérias? (Caminho, n. 446).

De acordo: essa pessoa tem sido má contigo. – Mas não tens sido tu pior com Deus? (Caminho, n. 686).

Esforça-te, se é preciso, por perdoar sempre aos que te ofendem, desde o primeiro instante, já que, por maior que seja o prejuízo ou a ofensa que te façam, mais te tem perdoado Deus a ti (Caminho, n. 452). Continue reading “Ano da misericórdia: Novena do perdão-3″

Ano da misericórdia: Novena do perdão-2

2º DIA:  Para compreender e desculpar

_________________________________

            Reflexão: Palavras de São Josemaria Escrivá

Não admitas um mau pensamento acerca de ninguém, mesmo que as palavras ou obras do interessado dêem motivo para assim julgares razoavelmente (Caminho, n. 442).

Mais do que em “dar”, a caridade está em “compreender”. – Por isso, procura uma desculpa para o próximo – sempre as há -, se tens o dever de julgar (Caminho, n. 463). Continue reading “Ano da misericórdia: Novena do perdão-2″

Ano da misericórdia: Novena do perdão-1

Primeiro dia – Para ter paz no coração

_________________________________

            Reflexão: Palavras de São Josemaria Escrivá

Não é de Deus o que rouba a paz da alma. (Caminho, n. 258).

Característica evidente de um homem de Deus, de uma mulher de Deus, é a paz na sua alma; tem “a paz” e dá “a paz” às pessoas com quem convive (Forja, n. 649). Continue reading “Ano da misericórdia: Novena do perdão-1″

Palestra sobre Ano da Misericórdia

O ANO DA MISERICÓRDIA 

I. BREVE HISTÓRICO 

O Papa Francisco proclamou o Jubileu extraordinário da Misericórdia no dia 11 de abril de 2015, véspera da celebração anual do Domingo da Misericórdia (o segundo domingo da Páscoa), mediante a Bula “Misericordiae Vultus- O Rosto da Misericórdia” (MV). 

Chama-se Jubileu “extraordinário” para distingui-lo do Jubileu ordinário, que tem lugar na Igreja Católica a cada 50 anos. A expressão “jubileu” procede da palavra hebraica yobal, trombeta ou berrante com o qual se anunciava, a cada 50 anos (a cada “sete semanas de anos”), um ano santo, dedicado à pacificação social: perdão de dívidas, recuperação de bens, libertação de servos, etc. (cf. Levítico 25, 8-10).

O Ano jubilar iniciou-se em 8 de dezembro de 2015, solenidade da Imaculada Conceição, data em que se comemoraram os cinquenta anos do encerramento do Concílio Vaticano II (MV, n. 4). Também, em 2015 completaram-se  vinte e cinco anos da publicação da Encíclica de são João Paulo II “Dives in misericordia-[Deus] rico em misericórdia” de 30/11/1980 (MV, n. 11). Continue reading “Palestra sobre Ano da Misericórdia”

NOVENA DO NATAL: 9 – O NASCIMENTO

9 – JESUS NASCE EM BELÉM

TODOS. – Senhor, nosso Deus, concedei-nos a vossa graça para que, auxiliados pela intercessão de Nossa Senhora e de São José, possamos preparar- -nos dignamente para acolher, com a alma pura e o coração generoso e sincero, a vinda do vosso Filho, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

LEITOR 1. – Hoje é o último dia da nossa preparação para o Natal. Que vamos fazer? Voltar os olhos e o coração, inteiramente, intensamente, para a figura de Jesus Menino que, envolto nos paninhos que a Mãe trouxe de Nazaré, repousa sobre as palhas do Presépio. Não sentem desejos de olhar para Ele e dizer-lhe: Meu Senhor e meu Deus!? Porque esse Menino que vemos na manjedoura é Deus feito homem, que vem ao nosso encontro para nos salvar. Tanto amou Deus o mundo – dizia Jesus a Nicodemos – que lhe deu seu Filho único… Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por Ele.

TODOS. – Meu Senhor e meu Deus! Vós sois o Amor!

LEITOR 3. – Deixem-me proclamar bem alto que este é mesmo o coração da nossa fé cristã! A certeza de que Deus é Amor e nos quer com loucura. Essa é a certeza que fazia o Apóstolo São João exclamar: Deus é amor! Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em nos ter enviado o seu Filho único, para que vivamos por Ele.

TODOS. – É fantástico! O amor de Deus invisível, no Natal se faz visível, fica perto de nós, ao nosso alcance. Está aqui, junto de nós, no Presépio!

LEITOR 1. – Vocês todos se recordam de que São João se extasiava com o Natal, com a vinda do Verbo encarnado, e dizia: Ninguém jamais viu a Deus. O Filho único, que está no seio do Pai, foi quem o revelou. E, cheio de júbilo por tê-lo conhecido, por ter convivido com Ele e ter experimentado o seu carinho, exclamava: Nós o vimos com os nossos olhos, nós o contemplamos, nós o ouvimos, nós o tocamos com as mãos…!

TODOS. – E também dizia, alto e bom som: Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é Amor.

LEITOR 2. – Jesus é Deus feito homem, que nos ama com toda a força do seu Amor divino e humano. É um amor grande e verdadeiro, que tem os dois sinais claros de autenticidade. Primeiro, é uma doação plena. Amor que não se dá não é amor. Mas não é um dar-se qualquer, é uma doação que visa o nosso bem. E aí está o segundo sinal de autenticidade: todo o verdadeiro amor, ao dar-se, quer bem, ou seja, dá-se procurando o bem da pessoa amada.

LEITOR 3. – E qual é o bem que Jesus nos traz? Será tão bom lembrá-lo hoje!

LEITOR 1. – Todos os bens! A vida verdadeira, e vida eterna! A felicidade que não poderá morrer! Mas, nessa infinita riqueza de bens divinos, podemos distinguir três grandes tesouros. O tesouro da Verdade, que Ele nos ensina; o tesouro do Caminho do Céu, que Ele abre e nos mostra; e o tesouro da Vida nova dos filhos de Deus, que brota de seu Coração trespassado na Cruz. Tudo isso resumiu-o Jesus numa só frase: Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Será que captamos a importância dessas palavras?

TODOS. – Jesus Menino, neste Natal, ensina-nos a compreender que só Tu és a verdade, só Tu ensinas o bom caminho, só Tu nos trazes a autêntica vida.

LEITOR 1. – Consideremos, então, que Jesus nos traz, primeiro, a luz da Verdade. Vem-me à cabeça agora o pai de São João Batista, Zacarias – o marido de Santa Isabel –, que profetizou o nascimento de Jesus de uma maneira muito significativa. Dizia que a ternura e misericórdia do nosso Deus nos vai trazer do alto a visita do Sol nascente, que há de iluminar os que jazem nas trevas e nas sombras da morte e dirigir os nossos passos no caminho da paz. Desde antes de nascer, Jesus já é anunciado como o Sol, como a Luz, a Luz da Verdade, que nos guiará para a paz, para a paz terrena e eterna.

LEITOR 2. – Não é isso também o que diz São João no prólogo do seu Evangelho? Ele era a verdadeira Luz, que vindo ao mundo ilumina todo homem… A luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

TODOS. – Que pena se nós não a recebêssemos, que pena se nós não a compreendêssemos!

LEITOR 1. – Porque a Verdade que Ele nos traz não é uma verdade qualquer: é a única verdade-verdadeira, a única verdade que salva: a verdade sobre Deus, sobre o mundo e sobre o homem. Só ela pode dar sentido à nossa vida.

LEITOR 2. – Eu diria que a Verdade que Ele nos ensina é como a semente na mão do semeador. Pode cair nas pedras ou entre espinhos e morrer; ou pode cair numa boa terra e dar fruto. Depende de nós.

LEITOR 3. – Se procurássemos acolher essa Verdade com carinho, seria uma maravilha, seríamos como o construtor de que Jesus falava: Aquele que ouve as minhas palavras e as põe em prática é semelhante a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. Nem a chuva, nem o vento, nem as tormentas conseguiriam derrubá-la. Porque essa verdade nos daria – como diz a Bíblia – um amor forte como a morte.

TODOS. – Concedei-nos, Senhor, que o nosso coração seja terra boa, onde a semente da Palavra de Deus possa enraizar-se, crescer e dar muito fruto.

LEITOR 1. – Continuemos a olhar para Jesus Menino. Ele fala-nos algo mais. Diz-nos, como víamos: Eu sou o Caminho. Toda a sua vida é exemplo e caminho para nós, é como a sinalização da estrada que conduz a Deus, o roteiro que devemos seguir para nos realizarmos nesta terra e na eternidade.

LEITOR 2. – É por isso que Jesus diz, muitas vezes: Segue-me!… E nos compara às ovelhas que Ele, o Bom Pastor, conduz, entre brumas e perigos, até o lugar seguro. Ele é o Bom Pastor que caminha adiante delas, adiante de nós…

TODOS. – Jesus, fazei com que nos decidamos a ler e meditar todos os dias o Evangelho, para conhecer a vossa vida e seguir o vosso exemplo.

LEITOR 3. – O exemplo de Cristo é o Caminho do Amor. Assim falava São Paulo: Caminhai no amor, segundo o exemplo de Cristo, que nos amou e por nós se entregou…

LEITOR 2. – E como o Amor não é fumaça, nem é uma teoria, nem é só uma paixão que arde e se evapora, tem que se manifestar na prática das virtudes. Por isso, aquele que ama esforça-se por ser – com a graça de Deus – generoso, compreensivo, dedicado, paciente; e também por ser constante, por ser forte na adversidade; por ser caridoso, gentil, prestativo; por ser justo, discreto…; por dar a Deus cada dia mais amor, e aos irmãos também. Em suma, por levar a sério a prática das virtudes.

LEITOR 3. – É verdade. Quem ama, faz, age, pratica, não fica só pensando e sentindo. Vejam que traço do amor verdadeiro nos dá São João, o grande intérprete do Amor de Cristo: Meus filhinhos – diz –, não amemos com palavras nem com a língua, mas por atos e em verdade. E é claro que isso se aplica tanto ao amor a Deus como ao amor ao próximo.

TODOS. – Nunca esqueçamos o que também nos diz São João: Temos de Deus este mandamento: quem ama a Deus, ame também a seu irmão. Porque aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, é incapaz de amar a Deus, a quem não vê.

LEITOR 1. – Com o olhar sempre fixo no Menino, pensemos na terceira coisa que Ele nos diz: Eu sou a Vida. Jesus é Deus que se faz homem, para que o homem, de uma maneira que não há palavras para expressar, se faça “Deus”. É um pensamento que deixava os santos pasmados, inebriados de alegria e agradecimento. Significa que Jesus nos traz a graça divina, que nos une intimamente a Ele e nos comunica a sua própria Vida: Da sua plenitude – diz São João – todos nós recebemos, e graça sobre graça. Pois a lei foi dada por Moisés, a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo.

LEITOR 2. – Como conforta pensar que a graça divina, que recebemos pela primeira vez no santo Batismo, nos transforma, comunicando-nos uma vida nova, que é – nada mais e nada menos – uma participação na própria vida de Deus. O Novo Testamento traz expressões belíssimas desse mistério da graça na alma. Por exemplo, São Pedro diz que nos faz participantes da natureza divina. São João afirma que a graça – que vem sempre à alma juntamente com o Espírito Santo – nos dá o poder de nos tornarmos filhos de Deus. E São Paulo declara, com grande alegria, que, com a graça do Espírito Santo, não recebemos um espírito de escravidão, para vivermos ainda no temor, mas recebemos o espírito de adoção como filhos, pelo qual clamamos: Abbá, Pai! Papai!

TODOS.– Sim! Jesus, o nosso Redentor, é a fonte de toda a graça. Aquele que tiver sede, venha a mim e beba, dizia… E nos prometia derramar sem medida na nossa alma o Espírito Santo, o  Amor de Deus em pessoa, que vem para nos santificar.

LEITOR 1. – Na verdade, Jesus é o manancial de onde brotam as sete fontes pelas quais nos vem principalmente a graça do Espírito Santo: os sete Sacramentos. Cada um deles nos une a Deus (e aos irmãos) de uma maneira própria. O Batismo transforma-nos em filhos de Deus; a Crisma dá-nos a força do Espírito Santo para sermos fiéis soldados de Cristo e apóstolos; a Reconciliação ou Confissão cura a alma doente e ressuscita a que está morta pelo pecado; a Eucaristia une-nos intimamente ao Sacrifício redentor de Jesus, que se faz Alimento, Vida da nossa alma e companhia de Amigo no Sacrário; o sacramento da Ordem faz com que os que recebem a ordenação sacerdotal sejam instrumentos vivos de Cristo sacerdote, ajudados pelo ministério sagrado dos diáconos; o Matrimônio implanta a poderosa semente da graça e do amor de Deus no amor dos esposos e dos pais; e a Unção dos Enfermos é a mão carinhosa de Jesus, que nos ergue da doença, ou – quando é o caso –  nos encaminha definitivamente para o Céu.

LEITOR 2. – E, assim, os sete Sacramentos, juntamente com as virtudes e com a força poderosa da oração – que é a respiração vital da alma do cristão – vão-nos identificando com Cristo, vão-nos transformando espiritualmente nEle, fazem com que pensemos como Cristo, sintamos como Cristo, amemos como Cristo, vivamos como Cristo. Esta é a vida dos cristãos, a vida dos filhos de Deus que se identificam com Jesus.

TODOS. – Que este Natal seja, para nós, um novo nascimento, uma nova descoberta da grandeza e da beleza de sermos filhos de Deus!

LEITOR 1. – Não acham que agora é um bom momento para nos perguntarmos, diante de Jesus Menino: “Eu vivo como filho de Deus? A minha oração é oração de filho, cheia do abandono e da confiança dos filhos muito amados? Posso dizer que o meu temor é filial, ou seja, que não temo que Deus me abandone ou me castigue, mas temo só magoá-lo, ofendê-lo? Cumpro os mandamentos com carinho de filho, ou com a má vontade do escravo forçado? Tenho delicadezas de afeto filial para com Deus, para com Nossa Senhora…? Enfim, eu poderia pôr o adjetivo filial em tudo o que penso, sinto e faço?…

TODOSSeria tão bom que, neste ano, o Natal nos envolvesse totalmente no Amor de Deus, tal como uma grande luz envolveu os pastores, na noite em que Jesus nasceu! A glória do Senhor refulgiu ao redor deles…

LEITOR 1. – Se quisermos, será assim. É um desejo muito bom para pôr aos pés de Jesus, agora que vamos encerrar a nossa Novena. Em cada Natal, Deus chega muito perto de nós. Em cada Natal, Jesus – ultrapassando as barreiras do tempo – leva-nos para junto do Presépio. Em cada Natal, Maria, a Mãe, oferece-nos o Menino, sob o olhar sorridente de José. Em cada Natal, Jesus também sorri para nós, e nos pergunta: “Será agora? Será desta vez…? Confia – diz-nos –, eu estou aqui para te ajudar”. Sim, em cada Natal, uma grande luz brilha para nós. Em cada Natal, há uma esperança que desponta. Cada Natal, em suma, pode ser para nós um novo nascimento. É isso que agora, concluindo a Novena, pedimos com muita fé a Jesus, pela intercessão de Maria, sua Mãe e Mãe nossa, e de São José. Que assim seja! Que Deus nos conceda a todos um santo e feliz Natal!

 

TODOS.– Ó Deus onipotente, agora que a nova luz do vosso Verbo Encarnado invade o nosso coração, fazei que, neste Natal, manifestemos alegremente nas nossas ações o que brilha pela fé e pelo amor nas nossas almas. Por Cristo, nosso Senhor.

NOVENA DO NATAL: 8 – AS PORTAS DE BELÉM

8 – AS PORTAS DE BELÉM

TODOS. –  Senhor, nosso Deus, concedei-nos a vossa graça para que, auxiliados pela intercessão de Nossa Senhora e de São José, possamos preparar-nos dignamente para acolher, com a alma pura e o coração generoso e sincero, a vinda do vosso Filho, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

LEITOR 1. – Estamos nos aproximando do final dessa nossa preparação para a vinda de Jesus. O Natal está cada vez mais perto. Por isso, hoje já começaremos a olhar para Belém, aonde Maria e José chegaram afinal, buscando pousada,  e procuraremos fazer uma reflexão que seja, ao mesmo tempo, um exame de consciência pessoal um pouco mais profundo, como se fosse um pequeno retiro espiritual de preparação para o Natal. Continue reading “NOVENA DO NATAL: 8 – AS PORTAS DE BELÉM”

NOVENA DO NATAL: 7 – A ADORAÇÃO DOS MAGOS

7 – A ADORAÇÃO DOS MAGOS

TODOS. – Senhor, nosso Deus, concedei-nos a vossa graça para que, auxiliados pela intercessão de Nossa Senhora e de São José, possamos preparar- -nos dignamente para acolher, com a alma pura e o coração generoso e sincero, a vinda do vosso Filho, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

LEITOR 1. – Neste sétimo dia da Novena, vamos continuar a olhar para os Magos. Só que hoje os contemplaremos – ou os imaginaremos – na cena da adoração, que o Evangelho descreve assim: Entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele, o adoraram. Muitos pintores famosos deixaram-nos quadros belíssimos dessa cena. Ajoelhados, ou inclinados perante o Menino Jesus, os Magos o adoram, com o olhar extasiado, e lhe oferecem os presentes que trouxeram.

LEITOR 2. – Eu me permitiria observar que, nesta cena, aparece uma palavra ou, por melhor dizer, uma atitude, que merece uma boa reflexão: adorar. Creio que é uma das atitudes mais elevadas, mais sadias e mais necessárias para nós, os homens. Continue reading “NOVENA DO NATAL: 7 – A ADORAÇÃO DOS MAGOS”

NOVENA DO NATAL: 6 – A ESTRELA DOS MAGOS

6 – A ESTRELA DOS MAGOS

TODOS.– Senhor, nosso Deus, concedei-nos a vossa graça para que, auxiliados pela intercessão de Nossa Senhora e de São José, possamos preparar-nos dignamente para acolher, com a alma pura e o coração generoso e sincero, a vinda do vosso Filho, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

LEITOR 1. – Dentre as figuras do Presépio, hoje vamos escolher os Magos. Podemos vê-los – ou imaginá-los – no caminho que leva para Belém. São homens sábios, homens de ciência e estudo, conselheiros de reis (talvez por isso os chamamos Reis Magos), que vêm de longe, da banda do Oriente, montados em camelos e com acompanhamento de pajens. Diante deles, marcando o rumo – agora que já estão quase chegando – brilha uma estrela, com fulgores prateados. É a mesma estrela que os fez empreender a sua longa caminhada.

LEITOR 2. – Vale a pena lembrar que o Evangelho resume assim aquela incrível viagem: Tendo nascido Jesus em Belém de Judá, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do Oriente a Jerusalém. Perguntaram eles: “Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no Oriente, e viemos adorá-lo”. Percebemos que a primeira coisa que dizem é que aquela longa viagem foi feita porque viram “a sua estrela”, e que ela lhes indicou um rumo e uma meta: ir ao país dos judeus para adorar o Rei de Israel, o Messias Filho de Deus, que é Rei do mundo inteiro… Continue reading “NOVENA DO NATAL: 6 – A ESTRELA DOS MAGOS”

Atualização por e-mail

Cadastre-se e receba as novas publicações por e-mail

Qual é o seu e-mail?


abnegação aborto abuso sexual Add new tag Advento agradecimento alegria amor amor a Deus Ano da Misericórdia apostolado arrependimento ateísmo autenticidade bem-aventuranças Bento XVI bioética bom humor bondade Brasil calúnia caridade caráter castidade coisas pequenas compaixão compreensão Concílio confissão consciência constância contemplação contrição conversão coragem correção fraterna corrigir covardia crise Cristo cruz células tronco Céu círculos defeitos desculpar dificuldades direção espiritual discrição diálogo dor dor de amor doutrina educação egoísmo Emaús entrega Epifania esperança espontaneidade espírito de sacrifício Espírito Santo Estado estudantes eternidade Eucaristia Evangelho exame exame de consciência excomunhão exemplo família fidelidade filhos filiação divina formação fortaleza frustração generosidade gratidâo graça Guimarães Rosa hedonismo homilia humildade Igreja Igreja Católica Indulgências infância espiritual inveja ira Irlanda jejum Jesus Cristo João Paulo II justiça juízos temerários laicismo lei de Deus Leitura espiritual liberdade limitações literatura liturgia livros luta luta ascética língua Madalena magnanimidade maledicência mandamentos mansidão martírio matrimônio mediocridade meditação meditações medo mentira miericórdia misericórdia Missa moderação moral mortificação mídia Natal nATAL-1 Nossa Senhora novena obediência Opus Dei oração Oração de petição oração vocal ordem orgulho otimismo paciência Paixão palavra palavras palestras palm Papa paz pecado pedofilia pelestras penitência pequenas coisas perdão perseverança piedade Plano de vida prazer pregação preguiça presença de Deus propósitos prudência pureza Páscoa quaresma razão Recife recolhimento reconciliação relativismo Responsabilidade ressentimento Ressurreição Rosário sacerdote sacerdotes sacrifício Sacrário Sagrada Família segredo seminaristas sentido da vida serenidade servir serviço sexo silêncio simplicidade sinceridade sociedade sofrimento São Josemaria São Josemaria Escrivá São Pedro São Tomé temas palestras temas pregação temperança Temário Terço testemunho tibieza Tomé trabalho Trapistas Trindade tristeza Unidade de vida Vaticano II verdade vida cotidiana vida espiritual Vida interior vida sobrenatural virtude virtudes Visitas Santíssimo vocação vontade Vontade de Deus