O ROCHEDO QUE ME ACOLHE

OS SALMOS, NOSSO ESPELHO

4- O ROCHEDO QUE ME ACOLHE

Tirou-me do poço mortal, do barro do pântano, colocou meus pés sobre a rocha, deu segurança a meus passos (Salmo 40, 3).

Senhor, tira-me do lodo para que eu não afunde… Que a correnteza não me arraste, que o pântano não me devore, e o abismo não feche a sua boca sobre mim (Salmo 69,15-16).

Você não se achou alguma vez com a sensação de que estava caminhando para um precipício, de que se afundava num brejo prestes a engoli-lo?

Todos, mais o menos, tivemos a experiência da precariedade das coisas desta vida: são frágeis os sonhos, as realizações, as conquistas, as pessoas, as esperanças…Por isso, talvez sem palavras a nossa alma tenha suplicado:

Senhor, inclina para mim o teu ouvido, vem depressa livrar-me. Sê para mim o rochedo que me acolhe, refúgio seguro para a minha salvação (Salmo 31, 3).

Onde apoiar-nos, senão em Deus, na hora em que tudo cambaleia e parece que vai naufragar?  A família entra em crise, as finanças são dívidas, a sombra de uma doença faz pairar o espectro da morte… Onde vamos nos apoiar?

É natural que procuremos as soluções humanas, desde o aconselhamento psicológico e o tratamento médico, até a procura de um novo emprego ou um novo encaminhamento profissional.

Se, com a ajuda de Deus, essas soluções humanas resolvem ou minoram alguns dos problemas, nem por isso pensaremos que temos os pés assentados na rocha que dá segurança aos meus passos.

Só Jesus nos pode nos mostrar o verdadeiro rochedo. Quem ouve as minhas palavras e as põe em prática é como um homem sensato, que construiu a sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enchentes, os ventos deram contra a casa, mas a casa não desabou, porque estava construída sobre a rocha (Mt 7,24-25).

A rocha é a fé em Jesus Cristo. E aquele que acolhe a sua palavra e o fulgor dos seus ensinamentos, experimenta a verdade desta afirmação de Jesus: Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não caminha nas trevas, mas terá a luz da vida (João 8,12).

Leve isso a sério! Experimente! Verá como, pouco a pouco, a fé cultivada e vivida vai crescendo, a esperança desabrocha e o amor amadurece. Acima de todos os problemas, fé, esperança e amor farão bater seu coração com sangue novo, que infundirá vitalidade aos pensamentos, projetos e ações. Experimente, insisto, pois só assim “verá”.

Quando aprenda assim a edificar a casa sobre a rocha, seu coração dirá: ─ O Senhor colocou os meus pés sobre a rocha, deu segurança aos meus passos. Fez-me cantar um canto novo, um louvor ao nosso Deus (Salmo 40,3-4).

[Capítulo de um livro em elaboração]