A adoração dos Magos

A ADORAÇÃO DOS MAGOS

 

Depois de descrever a alegria dos Magos ao verem a estrela parar no lugar onde estava o Menino, o Evangelho diz: Entrando na casa, acharam o menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se diante dele, o adoraram

No centro desta bela cena, aparece uma palavra que merece a nossa reflexão: a palavra “adorar”.  É uma das atitudes mais elevadas, mais sadias e mais necessárias para nós, os homens. Vamos refletir um pouco sobre ela.

Adorar significa:

─ em primeiro lugar, reconhecer Deus e dizer-lhe: Tu és o meu Deus e o meu Senhor!

─ depois, significa admirar com alegria e agradecimento a imensa grandeza, beleza e bondade de Deus.

─ em terceiro lugar, significa inclinar-se diante dEle com respeito e com obediência de filhos.

***

Adorar é, primeiro, reconhecer. Quando dizemos “Tu és o meu Deus!”, estamos reconhecendo: “Eu não sou o meu deus!” Ninguém, a não ser um louco, comete a tolice de dizer com a boca: “Eu sou Deus”, mas muitos de nós o dizemos com a vida.

Por quê? Porque nos dedicamos a adorar a nós mesmos e queremos colocar tudo aos nossos pés.

Isso acontece, por exemplo,  quando pensamos: “Primeiro procuro o que eu quero, obedeço às minhas vontades, sirvo os meus interesses, e depois vou ver se tenho tempo de pensar no que Deus quer”. Ou, então: “Quanto à minha fé e à minha conduta, eu digo o que é certo e errado; eu é que “escolho” a minha religião, e não preciso de que me falem de Deus nem da lei de Deus”.

***

Nós só podemos adorar bem a Deus quando o conhecemos bem. Não se pode adorar uma incógnita. Conforme o vamos conhecendo, Ele nos cativa e nos deslumbra com a sua bondade, beleza e verdade; sentimos cada vez mais desejos de compreendê-lo, de contemplá-lo – procurarei, Senhor, o teu rosto!, dizemos, com o Salmo –, e acabamos entendendo que “a adoração é o êxtase do amor”.

O Natal nos abre caminho para isso. Quem me vê, vê o Pai– disse Jesus. Por isso, quem quiser ver e compreender Deus deve olhar intensa e amorosamente para Cristo. Deve começar por conhecê-lo muito mais intimamente e detalhadamente.

Fazemos isso? Que lugar ocupa na nossa vida a leitura e meditação dos evangelhos? Bastaria que lhes dedicássemos um tempo diário muito breve: de cinco a dez minutos por dia.

***

Quem ama confia. Quando conhecemos Jesus, ele nos cativa e nos abandonamos ao seu amor. Desse amor nasce o desejo de agradá-lo e obedecerlhe sempre.

São poucas as pessoas que entendem que obedecer a Cristo e à sua Igreja é amá-lo. No entanto, Jesus disse-nos uma e outra vez que a obediência é o segredo do verdadeiro amor: Se me amais, guardareis os meus mandamentos… Se guardardes os meus preceitos, sereis constantes no meu amor.

E, ao falar da Igreja que Ele fundou – a minha Igreja, como a chamou –, dizia aos Apóstolos, chefes dessa Igreja: Quem a vós ouve, a mim ouve; quem a vós despreza, é a mim que despreza. Infelizmente, essa obediência poucos a compreendem bem.

Precisamos resgatá-la de preconceitos, se quisermos alcançar o amor.

 

Resumo do trecho de um capítulo do livro de F. Faus Contemplar o Natal